O CONTABILISTA DO FUTURO!

O futuro chegou e nós quase não nos apercebemos. Passámos a viver na era digital e, muitos de nós, teimámos em não perder os velhos hábitos mecanizados ao longo dos anos pelas rotinas diárias do trabalho, deixando que a acomodação a esses velhos hábitos nos bloqueasse a visão para que percebessemos que já estavamos a viver no futuro.

E agora, de que forma deve o contabilista encarar esta nova era em que a digitalização nos invadiu sem pedir licença?

Como em tudo na vida, o segredo está sempre na capacidade que o nosso cérebro tem para se adaptar às novas situações e, neste caso, aos novos desafios desta nova época em que vivemos. Basta dar-lhe essas instruções e muito rapidamente passamos a procurar soluções para irmos ultrapassando aquilo que à primeira vista, nos parecem obstáculos. No fundo, são apenas novos caminhos que temos que trilhar para adaptarmos os nossos métodos de trabalho à nova realidade. Nada mais são do que desafios à nossa profissão e que nos obriga a evoluir.

Para o contabilista, este é o momento de viragem. Muito rapidamente, tem que perceber que uma grande parte dos seus métodos de trabalho e de organização vai ter que mudar radicalmente de modo a usufruir das potencialidades da tecnologia posta ao serviço da contabilidade. O foco vai ter que recair cada vez mais no sentido do acréscimo de valor às entidades às quais presta o seu serviço, podendo libertar-se das tarefas pesadas e rotineiras de organização e arquivo de documentos, as quais envolvem a grande percentagem de tempo que é despendido no seu trabalho diário. A grande mais valia da contabilidade é, na verdade, fornecer informação útil e atempada à tomada de decisões dos empresários, pelo que as tarefas mecânicas que obrigam o contabilista a conseguir essa informação no tempo certo, podem agora ser aligeiradas pelo recurso à digitalização e contabilização automática de uma grande parte dos documentos produzidos pelas empresas.

Ao longo dos anos, os softwares de contabilidade têm desempenhado um papel fundamental permitindo ao contabilista acompanhar o ritmo de desenvolvimento criado pelas exigências, quer das necessidades de informação, quer pelas exigências fiscais e outras obrigações legais que dependem da informação fornecida pela contabilidade. Nesta era do digital, essa dependência é ainda maior, pelo que os softwares de contabilidade têm aqui um papel fundamental e o contabilista tem que tomar as melhores opções na escolha desse mesmo software. Mas mais importante do que essa escolha, é a mudança de mentalidade do contabilista para se adaptar às novas funcionalidades que os softwares de contabilidade vão desenvolvendo com vista à facilitação de tarefas.

Não menos importante em toda esta evolução, é a tarefa de envolvimento e interacção do empresário com o contabilista, devendo os softwares de contabilidade permitir que a gestão diária do empresário possa ter impacto directo na contabilização de uma grande parte dos documentos que são produzidos pela sua própria actividade.

O futuro não é amanhã. O futuro está a ser agora e o contabilista tem que aproveitar esta oportunidade.

José PIRES
DIRETOR GERAL DE OPERAÇÃO
jose.pires@viseeon.pt